domingo, 5 de fevereiro de 2017

Minha decepção com o Anarcocapitalismo


Defendi neste texto o Libertarianismo/Anarco-capitalismo e a exclusão do Estado (consequência lógica). Mas ao me aprofundar mais no assunto, este movimento não me agradou em um ponto: Meio Ambiente.

O Anarco-capitalismo defende 3 direitos naturais e inalienáveis dos seres humanos; o direito a vida, a liberdade e a propriedade privada.  O Estado é o maior protetor do meio ambiente, e sem ele a devastação ambiental não teria limites, até um bilionário de bom coração comprar uma propriedade e fizer seu zoológico particular, ou comprar uma porção de terras na amazônia que passaria ser sua propriedade privada. Aqui se reside o maior problema, quem hoje tem dinheiro suficiente para comprar a Amazônia inteira, ou os Oceanos existentes(?) Sem um "delimitador" como o Estado, as florestas seriam entregues em bandeja a capitalistas selvagens que visam somente o lucro, o mesmo para Oceanos em que a pesca seria descontrolada.

Lendo estes textos percebi que os altores não dão a mínima para o meio ambiente, só querem o lucro em cima disso. Os comentários deixam nítido...
• A Amazônia é nossa? - http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=901
Um comentário no artigo:
Meu pai foi um destes que foi pra Amazônia na época dos militares. Na época meu avô recebeu um pedaço de floresta que teve que desmatar na base do machado, pra poder iniciar a plantar alguma coisa por ali e poder sobreviver. Nós temos muito orgulho deste desmatamento que foi feito de 1971 pra cá. Essa idiotice ambiental mantém grande parte da população amazônica, que não pode mais desmatar como antes sob pena de multas ou até prisões, na pobreza esperando benesses estatais. 
• O manifesto ambiental libertário - http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=677
• O mundo sem ninguém: o sonho dos ambientalistas - mises.org.br/Article.aspx?id=560

Me pergunto se pelo menos algum deles assistiram alguma obra cinematográfica como "Bee Movie", "Wall-E", "The Lorax" ou mesmo "Avatar"... Como respeito e tenho admiração pela natureza não me compactuarei com este pensamente e não me foi convencível a proposta de simplesmente privatizar tudo.

Defendo agora o Minarquismo(ou Estado mínimo), ideologia politica que permite uma maior quantidade de liberdade e prosperidade(Como exemplo, países no topo da lista da Heritage Foundation, que mede o índice de liberdade econômica de um país, algo que aparentemente esta relacionado com solidariedade e caridade como podemos perceber vendo esta análise.) Com Isso, o Estado tem uma participação ínfima na economia, permitindo o melhor desenvolvimento do país [Leia também 1, 2, 3], mas uma atuação mínima suficiente para a proteção do meio ambiente.

ECO-TEOLOGIA
Em alguns textos, alguns libertários justificam esse desejo compulsivo por desmatamento para obter lucro a partir de Gênesis 1:28:
Deus os abençoou e lhes ordenou: “Sede férteis e multiplicai-vos! Povoai e sujeitai toda a terra; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todo animal que rasteja sobre a terra!”
Com base neste artigo, "a expressão "subjuguai" e "dominai" de GN 1,28 deve ser entendida como cultivar e cuidar". Sendo assim, de modo algum é uma referência a obter lucro pela estração ou manipulação da natureza.

A Eco-Teologia como dito aqui "contribui para ressituar o ser humano à luz da fé cristã, no momento atual de crise global, e contribui para consolidar a consciência planetária: somos filhos da Terra e responsáveis por seu futuro." em tal artigo também é dito:
O ser humano pode até se compreender como “centro consciente do universo conhecido”, mas ele nunca está sozinho. A espécie humana é fruto de longuíssimo processo de evolução da matéria. Somos filhos da Terra e parte da Terra. Por isso, a consciência planetária implica ética planetária: é preciso cuidar da Terra. Assim, ciência e ética se fundem, sem perder a especificidade, num modelo de compreensão do ser humano que se percebe como parte do meio ambiente e em contínua relação de interdependência com ele.
Por último recomendo estes artigos:
SALVAR A TERRA: A CONTRIBUIÇÃO DA TEOLOGIA PARA A ETICA DO CUIDADO
"[...] Neste sentido, a teologia busca restituir o simbolismo exegético do relato da criação para propor o cuidado pelo Cosmos, na qual o ser humano não é dono e sim criatura verdadeiramente livre e responsável pelo mesmo."
•  RELIGIÃO E MEIO AMBIENTE: ABORDAGEM (ECO) TEOLÓGICA
"Segundo a Bíblia o papel do homem na criação é de um mordomo e não de um tirano. Precisamos fomentar uma consciência ecológica fundamentada e inspirada biblicamente."
A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA ÉTICA-ECOLÓGICA CRISTÃ


CAPITALISMO CRIATIVO E SUSTENTÁVEL
E quais características desse novo capitalismo criativo? Mantém alguns traços do capitalismo tradicional - financeiro, industrial, monopolista, global, como, por exemplo, a busca incessante dos lucros -, porém utiliza um outro vetor importante: a busca da eficácia no combate à pobreza e o uso do poder inovador empresarial para preservar o meio ambiente, assim como a promoção de um desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida das populações ameaçadas pela exclusão social. 
É, portanto, um capitalismo diferente, mais humano, criativo, responsável por inovações que promovam a inclusão social, cidadania plena, a maior participação , o bem comum. Muito distante daquele capitalismo humanitário, que prega o assistencialismo inóculo, a filantropia demagógica, por meio do qual o rico empresário e as empresas prósperas transferem uma pequena parte dos seus lucros para ações sociais minimamente compensatórias. São praticas empresariais que buscam redimir os mais ricos empresários dos seus truques e artimanhas, que conduzem à obsessão pelo lucro e à defesa de seus próprios interesses. 
Essa mudança - do capitalismo humano e filantrópico para o capitalismo criativo - ocorreu com o próprio Bill Gates. Sua trajetória começou com a criação da sua fundação, com um aporte inicial de 70 bilhões de dólares aplicado em programas  e projetos sociais.
Mais recentemente, Gates tornou-se  o novo paladino das idéias e vantagens do capitalismo criativo. Suas palestras proferidas nos fóruns econômicos, megarreuniões e encontros empresariais internacionais, focalizam a necessidade dessa evolução para um novo tipo de capitalismo.  
Gestão da Interface Empresa x Sociedade (p. 10)
Não acredito que simplesmente devemos ignorar leis ambientais, o mercado não ira falir, o Capitalismo se sustenta com a criatividade dando seu jeito, não é necessário sair devastando meio mundo. As melhores soluções surgem com as inovações do mercado, trate-se de produtividade e sustentabilidade.
• Maior fazenda vertical do mundo usará 95% menos água com método mais produtivo
Agroflorestas se espalham pelo país: cultivo sem desmatamento
• Conheça as células solares que podem gerar energia a partir da chuva
• Cana: a planta que pode revolucionar a indústria• Alemanha lança trem com emissão zero que é movido a hidrogênio
• Suécia é destaque em preservação do meio ambiente
Nova Zelândia rumo ao “Resíduo Zero”
• Cingapura é a cidade mais verde da Ásia
Canadá comportará a maior trilha recreativa do mundo
"Capitalistas selvagens são seres desprovidos de inteligência para o desenvolvimento e a racionalização criativa do lucro. Por isso recorrem a maneira mais fácil e estúpida: devastação ambiental. Apenas comparem, Donald Trump, um Capitalista selvagem, e Bill Gates, um Capitalista criativo." 
(Frase autoral)

Um comentário: